Paraíba abastecia o Tietê

Tulio Brandão

O Globo, 16 de abril de 2004 (Rio de Janeiro)

O Paraíba do Sul, em outros tempos, não corria para o Rio de Janeiro. Em seu trecho inicial, segundo Cláudio Limeira, professor de geologia e geociências da UFRJ, o manancial era cabeceira do Rio Tietê, em São Paulo. Os cariocas foram salvos há 50 milhões de anos, quando movimentos tectônicos associados à separação das placas continentais da África e da América criaram uma depressão chamada rifte continental, por onde corre, hoje, o rio:

— O trecho inicial do Paraíba, da nascente até Guararema, abastecia o Tietê. Se você observar no mapa, há um cotovelo, como se o manancial fosse desviado à força para o Rio. Isso ocorreu há milênios por movimentos tectônicos que modificaram o curso do rio.

Ele explica que até a altura de Pádua o rio corre encaixado na mesma depressão:

— O Vale do Paraíba se estende até a altura de Pádua. A partir daí, há um abandono da estrutura tectônica e o rio corre para a Bacia de Campos, formando uma estrutura chamada Delta do Paraíba (construção fluvial provocada pela deposição de sedimentos na foz).

Antes de desembocar, o rio sofreu outra alteração geológica. A foz, originalmente, era no Cabo de São Tomé, e outra mudança no curso fez com que ele desembocasse no mar de Atafona:

— Isso ocorreu há seis mil anos. O Cabo de São Tomé existe por causa da deposição de sedimentos na foz. Formou-se uma protuberância no litoral da região.